quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Como matar ratos ratazana camundongos

1 - Ratoeiras. - Funcionam, mas fique atento a escolha das iscas. O Queijo tradicional serve para ratos maiores, mas para camundongos, é melhor usar um farináceo como bolacha doce. Meia goiabinha é uma ótima isca.

Agora se for para deixar a ratoeira no Jardim (ou em um lugar que tome chuva), esqueça as bolachas. A maioria dos ratos que apanhei foi com esse simples aparato.

Vale lembrar que muitas vezes a ratoeira dispara, mas você não pega o rato. Isso acontece porque o bichinho é grande, e o martelo (a haste que dá uma paulada na cabeça do rato) não consegue acertá-lo, ou porque ele entrou por trás na ratoeira, e ao desarmá-la foi atirado longe.

Cuidado também se você tem outros animais no Jardim, já matei um sabia com uma ratoeira e conheço quem feriu uma tartaruga. Deixe-a no caminho que o rato passa, cantos ou mesmo dentro dos ralos pluviais, quando couber. Às vezes o rato não morre, mas fica preso, ai nada como uma boa tijolada. Quando o rato estiver morto, jogue álcool na ratoeira (ajuda a esterilizar).

2 - Cola para ratos - Funciona, basta colocar o dispositivo dentro de uma passagem dos ratos, e se quiser melhorar, coloque no centro da armadilha uma isca. Novamente cuidado, pois é possível pegar pássaros e pombos por acidente.

3 - Veneno de rato, Parafinados - Já usei, para os meus ratos não funcionou. Os ratos aprendem que o veneno pode matá-los, e após a morte de um ou dois do bando o método perde eficiência.

4 - Outros venenos - São eficientes, mas tem dois defeitos, você não sabe onde o rato vai morrer (e encontrar o cadáver embaixo da sua cama após uma semana de putrefação não é agradável) e são MUITO perigosos para crianças e outros animais. Se optar por esses, tenha certeza que as iscas vão ficar em lugar inacessível para as crianças, os gatos e os cães.


Venenos (raticidas maais comuns no mercado):

Mata Rato Ratex - Ratex é um raticida anticoagulante de segunda geração, dose única e uso doméstico. - Além de mais econômico, tem a qualidade Syngenta, que garante o controle de camundongos e ratos.Vantagens de uso• Isca granulada • Prático: isca pronta para uso • Dose efetiva pequena • Os roedores morrem após a ingestão de uma pequena quantidade do produto • Muito atrativa aos roedores: contém cereais • Maior segurança para pessoas e animais • Possui antídoto: vitamina K1


Mata Rato KleratEficiência: raticida dose única, isto é, mata qualquer espécie de roedor com a menos ingestão do mercado. Único que mata espécies resistente a anticoagulantes de primeira e segunda gerações.Praticidade: Iscas prontas para uso, aplicação limpa e fácil.Economia: menos iscas por aplicação, menor custo e menos mão-de-obra ( iscagem periódica).Segurança: apresenta antídoto, vitamina K, e contém Bitrex para prevenir a ingestão acidental das iscas por seres humanos

Mata Rato Ratax (Armadilha adesiva)-É uma armadilha adesiva, produzida com uma fórmula exclusiva, composta por um adesivo especial e um aroma super atraente, que atrai e gruda nos roedores deixando-os imobilizados, sem possibilidades de fuga.É um sistema seguro no controle de roedores, pois evita o uso de venenos, ratoeiras e gaiolas, que podem ser prejudiciais para pessoas e animais domésticos, de uma forma rápida, simples e limpa.Recomendado para usar no controle de roedores, em ambientes onde é perigoso o uso de veneno. Residências, Escolas, Creches, Igrejas, Hospitais,Clínicas Laboratórios, Bares, Restaurantes, Super Mercados, Indústrias Alimentícias, Frigoríficos, Armazéns, Silos, haras, Estábulos, Granjas, Petshops e etc.

Feijão cru: um raticida?

Feijão cru tem efeito raticida? Poderia ser usado inofensivamente para eliminar roedores sem qualquer risco para humanos ou outros animais? É verdade ou é mentira? Respondo:
  • De onde surgiu essa história?
R: Em 1994, portanto há 14 anos atrás, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas/RS, FAEM / Depto. de Ciência e Tecnologia Agroindustrial, liderado pelo Prof.Pedro Antunes, publicou um trabalho científico onde analisaram quatro cultivares de feijão similares entre si comumente encontrados no comércio brasileiro (Rico 23, Pirata 1, Rosinha G2 e Carioca). Os pesquisadores estudavam o valor nutricional desses cultivares e também os fatores antinutricionais como a antitripsina e a lectina (duas substâncias tóxicas existentes em todos os feijões). Nesse ensaio, ratos brancos de laboratório (albinos da espécie Rattus norvegicus) foram submetidos a uma dieta exclusiva desses cultivares de feijão cru e os pesquisadores apresentaram suas conclusões. No entanto, todos os ratos do estudo morreram, aliás como seria de se esperar dada à presença daquelas substâncias tóxicas no feijão cru e que são neutralizadas durante o processo de cozimento, ao qual normalmente o feijão é submetido antes do consumo. Muito recentemente, alguém leu esse trabalho e ao perceber que os ratos haviam morrido, imediatamente imaginou que o feijão poderia ser usado como um “raticida”. Pior que isso, esse alguém, sem nenhum conhecimento de causa, prontamente tachou esse “método” de seguro e sem risco, pois raciocinou que se nós humanos e outros animais comemos feijão e nada nos acontece de mal enquanto os ratos comem e morrem, estaria aí uma solução simples e barata para o eterno problema das infestações de roedores. Eureka! O Prof.Pedro Antunes inquirido sobre essa versão apócrifa que circula na forma de post na Internet, mostrou-se horrorizado com o desvio dado à sua pesquisa, segundo nos conta o Médico Veterinário Ricardo Mathias que o entrevistou, pois a intenção dos pesquisadores era o de demonstrar o efeito nocivo do feijão cru que desaparecia quando o feijão era cozido.

  • Como os ratos morrem comendo feijão cru?
R: Os fatores antinutricionais existentes no feijão (também estão presentes em outras leguminosas como a soja), a antitripsina e a lectina, atuam de forma danosa em diferentes pontos do organismo, seja de um rato, seja de um cão ou seja mesmo de um ser humano podendo levar à morte na dependência da quantidade ingerida. A antitripsina atua inibindo a formação de diversos enzimas que participam do processo de digestão nos mamíferos, incluindo a tripsina., as quais hidrolisam as proteínas que ingerimos transformando-as em aminoácidos, para que possam ser absorvidas pelo nosso organismo. Sua ação se dá ao nível do duodeno, a primeira porção de nosso intestino logo depois do estômago. A falta de tripsina provoca sérios problemas pancreáticos e mesmo pulmonares. Já a lectina, simplificando, é uma proteína que, quando presente em mamíferos monogástricos (portanto excluem-se os bovinos, os caprinos, os ovinos, etc), provoca aglutinação das hemácias (formando pequenos coágulos) e assim provocando entupimentos de vasos de menor calibre. Ora, os tais ratos do experimento foram submetidos a uma dieta exclusiva e à vontade, constituída por feijão cru, onde estão presentes em altas concentrações essas proteínas danosas (antitripsina e lectina) de curso mortal para mamíferos monogástricos (que têm um só estômago). Só tinham que morrer mesmo!

  • E por que não sentimos nenhum problema quando comemos feijão?
R: Porque no processo de cozimento do feijão, essas proteínas danosas são destruídas podendo restar bem pouco, não em quantidades suficientes para nos causar problemas. Contudo se ingeríssemos feijão cru, especialmente na forma de farinha, certamente sofreríamos o mesmo que se passou com os ratos do experimento.

  •  De qualquer forma, posso usar feijão cru para matar ratos?
R: a rigor, pode. Contudo haveria um primeiro grande problema a ser resolvido: convencer os ratos a comer feijão cru! Eles detestam, e têm muitas boas razões para isso! A Natureza os ensinou a evitar esse e outros grandes perigos. Por isso sobrevivem há tanto tempo. Outra questão importantíssima: o risco envolvido. É perigoso sim! Crianças poderiam por qualquer razão encontrar e ingerir esse feijão cru ou sua farinha! Cães e gatos igualmente não se deixam convencer a fazer do feijão cru um alimento, mas crianças...

  • Mas eu li na Internet...
R: Eu sei, eu também li! Contudo, lembre-se que a Internet não é a garantia da verdade, bem ao contrário. A quantidade de boatos, inverdades e erros de interpretação que circula pela Internet é assustadora. Essa de usar feijão cru para matar ratos é outra dessas enormes besteiras que por aí circula e que pessoas, e mesmo técnicos mais desavisados, saem repetindo e repetindo, como se verdade fosse. Sinais dos tempos!


Doenças Transmitidas pelo Rato

Leptospirose - A leptospirose é uma doença infecciosa febril, aguda, potencialmente grave, causada por uma bactéria, a Leptospira interrogans.
É uma zoonose (doença de animais) que ocorre no mundo inteiro, exceto nas regiões polares. Em seres humanos, ocorre em pessoas de todas as idades e em ambos os sexos. Na maioria (90%) dos casos de leptospirose a evolução é benigna.
Sintomas:
Os primeiros sintomas são: fraqueza, dor no corpo, dor de cabeça e febre, sendo que, às vezes, a doença é confundida com uma gripe ou outras viroses.
Com o aumento da febre podem ocorrer calafrios, vômitos, mal-estar, dor na batata das pernas (panturrilhas), fortes dores na barriga e também o aparecimento de cor amarelada na pele (icterícia).
O agravamento da doença pode provocar diminuição ou ausência da produção da urina (insuficiência renal), problemas respiratórios, hemorragias e confusão mental, podendo levar à morte.

Peste Bubônica - A peste se manifesta geralmente sob uma das três formas: bubônica, septicêmica e pneumônica. A forma mais comum é a bubônica ou ganglionar e se apresenta sob a forma de tumefações mais ou menos do tamanho de um ovo, conhecidas como bubões, que aparecem no pescoço, na axila ou na virilha do doente nos primeiros estágios da doença.
As formas graves têm início abrupto, com febre alta, calafrios, dor de cabeça intensa, dores generalizadas, emagrecimento, náuseas, vômitos, confusão mental, olhos vermelhos, pulso rápido e irregular, taquicardia, pressão arterial baixa, prostração e mal-estar geral.
Após dois ou três dias, aparecem os primeiros sinais de inflamação nos gânglios da região que foi o ponto de entrada da bactéria (bubão pestoso). A pele fica brilhosa, distendida, vermelha arroxeada, com ou sem hemorragias. A região fica bastante dolorosa e sensível.

Tifo Murino - Assim como ocorre na peste, o tifo murino é comum entre ratos, sendo transmitido para o homem somente quando há um grande número de roedores contaminados (epizootia), o que obriga a pulga Xenopsylla cheopis a buscar novos hospedeiros.
O causador da doença é a bactéria chamada Rickettsia mooseri e os sintomas são praticamente os mesmos do tifo epidêmico, só que mais brandos. O tratamento também é semelhante.


Hantavirose - A transmissão pode ocorrer quando nós, seres humanos, frequentamos os mesmos ambientes que os ratos silvestres. Esses ratos silvestres eliminam o vírus da hantavirose pela urina, fezes e saliva. A contaminação das pessoas acontece quando se inspira a poeira desses locais.
Outras formas de transmissão para humanos podem ser por ingestão de água e alimentos contaminados, machucados na pele, mordedura de roedores e contato do vírus com mucosa, por exemplo a conjuntival.
Sintomas:
Febre, dor de cabeça, dor no corpo, tosse, náuseas, vômitos, dores nas costas.


Rato é um nome popular para designar mais de 500 Existem mais de 500 espécies do gênero Rattus.
Os ratos-domésticos são considerados no Brasil espécies invasoras. As espécies mais prejudiciais são a ratazana ou rato-de-esgoto (Rattus norvegicus) e o rato-preto (R. rattus), ambas originárias da Ásia. Mais corpulenta, a ratazana mede cerca de vinte centímetros, sem contar a cauda, de 18cm de comprimento; sabe nadar e cava abrigos. O rato-preto, que mede cerca de 16cm e tem a cauda mais longa do que o corpo, com até 19cm, é capaz de grandes saltos e de escalar paredes. Quando as duas espécies vivem na mesma área, ocupam diferentes habitats. Num edifício, por exemplo, a ratazana tende a ocupar os andares inferiores, e o rato-preto os mais altos.


Mus musculus - Camundongo - House Mouse or Mice


· Descrição: 6-9 cm de comprimento (cabeça e corpo), coloração cinza, castanho ou até branco.
· Orelhas relativamente grandes e corpo esguio.
· Maturidade sexual: 35 dias
· Gestação: 19 dias
· Ninhada: 6
· Cio: 8 vezes ao ano
· Longevidade: 10 meses a 6 anos
· Alimentação: preferência por cereais e alimentos açucarados.
· Habitat: áreas internas, nidificando em materias macios. Apresentam hábito noturno.





Rattus norvegicus - Ratazana ou Rato de Esgoto - Norway Rat or Brown Rat



· Descrição: 22 cm de corpo, 11 cm de cauda, 400 g de peso. Coloração castanho amarelada com
alguns pêlos pretos no dorso. Olhos e orelhas pequenas em comparação ao corpo. Tem por característica arrastar a cauda ao andar, produzindo rastro característico.
· Maturidade sexual: 120 dias.
· Gestação: 23 dias
· Ninhada: 8
· Cio: 6 vezes ao ano
· Longevidade: 6-13 meses
· Alimentação: preferência por carne, peixes e cereais. Consomem em média 26 g de alimento por dia e 30 ml de água.
· Habitat: constroem ninhos em tocas escavadas no solo. Excelente nadadores, apresentam atividade noturna.



Rattus rattus - Rato Preto ou Rato de Telhado - Black Rat


· Descrição: 17-20 cm (cabaça e corpo), coloração variando de preto até o cinza. Focinho afilado,
orelhas e olhos grandes, cauda longa (maior que o corpo).
· Maturidade sexual: 100 dias
· Gestação: 22 dias
· Ninhada: 7
· Cio: 5 vezes ao ano
· Longevidade: 6-13 meses
· Alimentação: preferência por vegetais e cereais, consumo médio diário: 20 g de alimento e 30 ml de água.
· Habitat: por possuir grande habilidade em escalar a apresentar excelente equilíbrio, caracteriza-se por habitar regiões altas como telhados, cordas, cabos e canaletas. Atividade noturna.



Um comentário:

  1. A maneira correta de matar um roedor é assim: http://www.youtube.com/watch?v=APY9jC0T1to

    ResponderExcluir